Skip to main content

Como criar um processo seletivo perfeito

Ter uma estratégia sólida de recrutamento e seleção é uma das chaves para construir times de alto desempenho. E em áreas que enfrentam a escassez de talentos, como a de TI, saber como criar o processo seletivo perfeito se torna ainda mais importante.

De uma maneira geral, dominar as melhores técnicas para atrair e selecionar bons profissionais é a base para prosperar no mercado. Afinal, o maior tesouro de uma empresa são as pessoas que fazem parte dela.

Sabendo disso, a partir de agora, queremos te mostrar como estruturar um processo seletivo tech que realmente aproxime a sua organização dos melhores candidatos. 

Quer saber mais sobre o assunto? Então vem com a Geek!  

Primeiramente, o que é um processo seletivo perfeito?

Como dissemos na abertura do artigo, as etapas de recrutamento e seleção são determinantes para a construção de equipes de alta performance. 

Sendo assim, um processo seletivo dos sonhos é aquele capaz de garantir que isso realmente aconteça!

Ficou muito vago? Então vamos aos detalhes… Na prática, um processo seletivo realmente eficiente deve resultar em:

  • Vagas fechadas dentro do tempo estipulado;
  • Contratação de profissionais com as habilidades técnicas e comportamentais necessárias para o desempenho da função, além de fit cultural (alinhamento com os valores e propósito da organização);
  • Aumento do engajamento e produtividade das equipes;
  • Redução das taxas de turnover e absenteísmo.

Viu só quantas vantagens? 

Os pontos citados acima se aplicam aos processos seletivos de qualquer área. Mas, quando levamos em consideração a escassez de profissionais de TI e a alta disputa do mercado por eles, dar um “check” em todos eles é ainda mais valioso. 

 Só quem conhece os desafios do recrutamento tech de perto sabe, rs!  

Dito isso, qual é o caminho para ter um processo seletivo tech infalível?

Sim, saber como criar o processo seletivo perfeito para contratar profissionais de tecnologia continua sendo uma incógnita para o RH de muitas empresas.  

Mas o nosso objetivo aqui é mostrar que, com a adoção de boas práticas e das ferramentas certas, é totalmente possível ter sucesso.

Por isso, vamos ao passo a passo do que não pode faltar! 

  1.  Construção de uma boa descrição da vaga

Pode parecer óbvio, mas a verdade é que muitas empresas perdem bons talentos por não dedicarem o devido tempo à construção de uma descrição de vaga assertiva. 

Por isso, uma das primeiras coisas que o RH deve fazer ao ser informado sobre a necessidade de iniciar um processo seletivo é sentar com o gestor da área na qual o futuro contratado irá trabalhar para entender qual é o perfil que ele está buscando.

O foco da conversa é levantar informações como:

  • Competências comportamentais e técnicas necessárias;
  • Experiência profissional e formação desejada;
  • Responsabilidades inerentes ao cargo;
  • Salário e benefícios. 

Todos esses detalhes farão a diferença na hora de elaborar uma descrição de vaga matadora, mas vale dizer o seguinte: além das informações sobre a posição, também é importante destacar elementos da cultura da empresa. Isso ajudará a atrair pessoas com fit cultural! 

  1. Mapeamento de onde estão os talentos 

Assim que você tiver uma boa descrição de vagas em mãos, o próximo passo será divulgá-la. E, para fazer isso da melhor forma, é importante saber onde os profissionais que você busca estão procurando por oportunidades de trabalho.

Quando o assunto é divulgar vagas, é possível recorrer a muitas opções: sites de emprego, mídias sociais, eventos, página de carreiras e por aí vai…

Mas aqui vale abrir um parênteses: na área de tecnologia, é comum que os candidatos sejam abordados pelas empresas mesmo quando não estão procurando ativamente por um novo emprego. 

Sendo assim, no caso do recrutamento tech, o segredo está em recorrer aos canais voltados especificamente para pessoas de tecnologia, como, por exemplo, um marketplace de desenvolvedores. 

Nesse espaço, é possível encontrar candidatos qualificados e convidá-los para participarem dos processos seletivos!

  1. Triagem assertiva dos candidatos

Para ter um processo seletivo perfeito é importante saber identificar quem são as pessoas que têm potencial para ocupar a vaga que está aberta. E a primeira etapa que ajuda o RH a cumprir com esse objetivo é a triagem.

Aqui, a missão é comparar as informações dos candidatos com os critérios que foram estabelecidos lá no começo dessa jornada (durante a conversa com o gestor, lembra?) e separar aqueles que estão alinhados ao perfil buscado pela empresa.

Por se tratar de uma tarefa criteriosa, ela pode ser um pouco demorada caso seja feita de forma “manual”. A dica para não perder tempo, portanto, é recorrer a ferramentas tecnológicas capazes de torná-la mais ágil. 

Contar com um bom software de recrutamento pode ser o caminho mais adequado, já que eles são capazes de cruzar informações e realizar a triagem inteligente de currículos!  

  1. Realização de testes técnicos e comportamentais

Assim que você tiver um bom número de candidatos aprovados na triagem, será preciso realizar alguns testes para validar se as informações que constam no currículo realmente se aplicam à prática.

No geral, os testes são parte importante de um processo seletivo perfeito, pois ajudarão o RH a avaliar quem realmente detém as hard e soft skills buscadas pela empresa.

E já que existem diferentes abordagens que podem ser adotadas nessa hora, nós queremos sugerir dois conteúdos bem completos sobre o assunto:

Na hora de definir quais testes realizar, é importante ter equilíbrio: o excesso de testes é um dos motivos que mais levam os candidatos a desistirem de uma vaga no meio do processo seletivo. 

  1. Condução de uma boa entrevista 

É inevitável: em algum momento, a busca pelo talento certo culminará na entrevista de emprego

Isso significa que, para construir um bom processo seletivo tech, também é preciso saber a melhor forma de conduzir esse momento e tirar o máximo proveito dele.

Há muitos caminhos que podem ser seguidos na hora do bate-papo. É possível, por exemplo, contar com o apoio de um script fixo de perguntas que serão feitas ao candidato ou, então, seguir para um modelo mais flexível.

O mais importante é ter em mente que o objetivo principal da entrevista é permitir que o RH e o gestor se aprofundem mais no perfil do candidato, tirem todas as dúvidas que ainda ficaram e alinhem as expectativas da vaga.  

Considerações finais

Se você passou por todos os tópicos acima, já sabe como criar o processo seletivo perfeito! 

Afinal, todo recrutamento “de respeito” leva em consideração a boa execução dessas cinco etapas: descrição da vaga, divulgação assertiva, triagem, realização de testes e entrevista.

Lembrando que, para conseguir cumprir todas elas com agilidade, já não dá mais para fechar os olhos para a tecnologia. Nos dias atuais, ter boas ferramentas em mãos é a chave para alcançar resultados mais assertivos em um curto período de tempo. 

As plataformas de recrutamento e seleção e o marketplace de recrutamento, como já dissemos, são excelentes exemplos de investimentos que podem fazer toda a  diferença no recrutamento tech!  

Caso queira se aprofundar neste tópico, temos um conteúdo específico sobre tecnologia no RH. Que tal dar uma conferida antes de ir?    

Compartilhar